ATITUDE INTERIOR E O VOO XAMÂNICO

ATITUDE INTERIOR e o VOO XAMÂNICO

– Vitor Hugo França –

 

Corpo, mente e espírito. Eis o grande desafio: buscar a sabedoria que nos purifica para que o equilíbrio existencial, uma vez alcançado, nos projete em direção a um estado de consciência mais elevado, com mais entendimento. Eliminar a ignorância, buscar o discernimento, romper as dependências humanas, tanto emocionais, como materiais, e também espirituais, que inúmeras vezes não nos deixam acreditar que, dentro de cada ser, existe uma luz divinamente especial.

Desafios, buscas, questionamentos incessantes… Ah, esse coração alado que, descontente com a passividade humana, teima em alçar vôos em busca da mais alta ascensão… Esse nobre poder de Deus, que está implantado em nós, deixa a esperança de que tudo, exatamente tudo, pode ser alcançado, não importam as dores, as perdas, as carências, a solidão que nos acompanha, mesmo quando nossa mente está repleta de companhia e não conseguimos ver. Nada disso importa, mas, sim, a sabedoria, que, permeada pelo doce sabor do amor, nos eleva e conduz ao encontro de uma grande verdade: encontrar a nós mesmos, nossa essência…! Discernimento, amor, atitude, humildade, paciência, tantos são os objetivos para que consigamos a “cura” existencial e assim possamos atingir uma pequena partícula da evolução consciencial. Buscar é preciso sempre… Sempre!

Quero descrever uma experiência que tive em “voo xamânico” há algum tempo atrás. Espero que traga algo de bom para todos vocês.

“Certa vez, um homem teve uma vivência em um outro nível de consciência. Não sei bem se, em seu íntimo, buscava saber sobre o que viria ou se aquela experiência é que estava em busca para atingi-lo com sabedoria… O que posso dizer, o que senti, é que um recado estava ali… Talvez para ele, talvez para mim, quem sabe para todos nós… O certo é que, no plano astral, essa vivência aconteceu assim…

O homem estava em um ambiente onde havia várias salas e algumas pessoas também presentes. Era notável como elas zelavam por aquele ambiente, parecia ser um local muito especial.

Foi então que as coisas começaram a acontecer… Surgiu diante dele um ser bem humilde, diria um mendigo, bem rude, com a face muito mal tratada, com o sorriso limitado pelas marcas, mas carregando algo valioso, muito brilhos nos olhos… Este ser se aproximou do homem, sua ajuda pediu, e, de pronto, teve a disposição da ajuda pedida. Não sei bem o que, mas um amparo foi pedido e algo lhe foi dado… Depois desse contato, o ser, com toda simplicidade e humildade que lhe era peculiar, olhou firmemente para o homem e pronunciou palavras que jamais esquecerá… “Obrigado, Senhor, obrigado, Xamã…”! Estarrecido, o homem, que usava sua mente para lançar cada palavra, indagou… “Obrigado pelas palavras, mas eu não sou um Xamã…”!

E, no mesmo instante em que terminou sua frase, olhou rapidamente para seu corpo e algo começou a acontecer: vestes típicas nativas, claras como luz, começaram a envolvê-lo.

Surpreso, o homem sentiu que suas feições também mudavam, os traços de sua face estavam e eram como a face de um Índio. Sentindo-se um tanto confuso e, ao mesmo tempo, feliz, percebia claramente que seu chacra cardíaco transbordava muita luz. Olhou rapidamente para aquele ser que trajava farrapos e, repentinamente, à sua frente, seus olhos também viam a imagem de Xamã. Estagnado, olhava para as outras pessoas que ali estavam e, em cada uma delas, ele via sempre o mesmo ser… Xamã…

Foi então que o humilde ser que originalmente havia aparecido, projetou em sua mente: “É isso mesmo, amigo, todos nós temos essa energia maravilhosa dentro de nós, valorize-a, ame a si mesmo, sem ego, sem arrogância, seja e veja sempre essa energia permeando a todos. Ela pode estar desperta ou adormecida, o que realmente importa é que ela está lá, eternamente, dentro de todos os seres…”

E, assim, o tal homem, que por esta experiência passou, voltou ao plano físico com mais certeza, a certeza de que, em nossa jornada de vida, temos que ver com os olhos do coração para enxergar o ser especial que existe em cada Ser…

 

Bondade, Amor, Cura de Si mesmo…

Quando conseguirmos ver todos os seres humanos como membros de uma grande família, como nossos irmãos, irmãs, mães pais e filhos, então descobriremos , onde quer que estejamos, que o Amor nos espera e nos dá as boas vindas! É o Criador que o contempla, quando você “O” vê em todas as coisas, essa é a TRIBO ESTELAR!

Busque sempre transmitir o mais nobre dos sentimentos… O Amor!

 

Assim Falei!

Vitor Hugo França

 

0 comentários

Deixe um comentário

Quer se juntar a discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *